Av. dos Estados, 5001 - Bangu - Santo André - SP. 09210-580
contato@seivajr.com

Desastre ambiental: o atropelamento da fauna em rodovias pantaneiras

Desastre ambiental: o atropelamento da fauna em rodovias pantaneiras

Tamanduá-mirim atropelado na BR-262 – imagem retirada do Facebook SOS Pantanal por Gustavo Figueirôa.

Desde o final de 2020 e começo de 2021 o Pantanal vem sofrendo com o aumento do atropelamento de animais silvestres gerando um enorme impacto para a biodiversidade do nosso país.

De acordo com uma matéria do MSTV 1 na qual participaram o SOS Pantanal e o Instituto Homem Pantaneiro (IHP), o aumento do número de atropelamentos se deve aos recentes incêndios no bioma e a consequente seca do Rio Paraguai, que impossibilita a utilização de balsas para transporte de produtos de empresas mineradoras da região, que são obrigadas a utilizar caminhões para que o escoamento de seus produtos não cesse. Assim, aumenta o fluxo de automóveis na estrada de dia e de noite, causando diversos atropelamentos de mamíferos, répteis, anfíbios e aves. 

A BR-262 no Mato Grosso do Sul, tem mais de 200 km, liga Campo Grande a Corumbá e é utilizada principalmente por turistas e para o transporte de insumos. A via é conhecida como a “rodovia da morte” para a fauna, devido a imprudência, excesso de velocidade e falta de atenção dos motoristas que ocasionam centenas de mortes desses animais diariamente. 

Segundo o Projeto Bandeiras e Rodovias do Instituto de Conservação de Animais Silvestres (ICAS), 80% desses atropelamentos ocorrem à noite, horário em que os animais são mais ativos e a visibilidade dos motoristas na rodovia diminui. Isso foi observado em 3 anos de monitoramento que realizaram na BR-262, no trecho entre Campo Grande e a ponte do rio Paraguai, que contabilizou 6.500 animais atropelados, sendo 58% mamíferos, dos quais 316 se encontram ameaçados de extinção, como: tamanduá-bandeira, anta, cervo do pantanal, queixada, lobo-guará, cachorro vinagre, gato palheiro, gato mourisco e até onça pintada. Esse monitoramento ainda constatou as espécies que mais são vítimas dessa situação, são eles: 829 tatus-peba, 686 tatus-galinha e 590 cachorros do mato.

No final de fevereiro, uma turista que estava a caminho da Gruta do Lago Azul, ponto turístico da região, flagrou um acidente na BR-262, no qual um homem em uma caminhonete atropelou e matou um casal de antas que atravessava a estrada, capotando seu carro que foi parar fora da via.

A fim de evitar acidentes como este, medidas de mitigação podem ser tomadas para salvaguardar a biodiversidade e a segurança humana, como explica a especialista em ecologia de estradas, Dra. Fernanda Abra, “a adoção de estruturas físicas como passagem de fauna (superiores e inferiores), cercamento e telamento específicos, podem reduzir em até 90% as colisões com mamíferos de médio e grande porte”. 

Aliado a isso deve ser cobrado dos responsáveis a colocação de radares nos hotspots, pontos que mais ocorrem atropelamentos, para que os motoristas diminuam a velocidade, e também deve ser exigido o reembolso por acidentes causados por animais na via, alertando as autoridades dos inúmeros acidentes ocorridos. A criação de uma linha férrea também seria uma solução, que diminuiria o fluxo de caminhões na rodovia. Além disso, medidas simples como evitar dirigir à noite, dirigir com atenção e respeitar a velocidade da via podem fazer uma enorme diferença para a situação.

Na entrevista dada ao MSTV 1, o IHP chamou a situação de desastre ambiental e comparou a rodovia a um cemitério a céu aberto. O Instituto monitora a via com a utilização de drones para traçar estratégias junto às empresas mineradoras para evitar que outros animais tenham esse mesmo fim. A reportagem ainda mostra um papagaio, um jacaré e uma onça que foram encontrados mortos na beira da estrada. 

O atropelamento de animais em rodovias é comum em todo o Brasil, e já passou da hora de agirmos! Dirigir com atenção e respeitar os limites de velocidade nas estradas é totalmente necessário para o nosso bem e para o bem dos animais. Cobrar autoridades para a readequação das rodovias também é nosso dever. Precisamos respeitar e preservar a riquíssima biodiversidade do nosso país…e aí, vamos nessa?

 

FONTES:

https://www.facebook.com/institutosos.pantanal/posts/2048543778652505

https://www.instagram.com/tv/CKmuAbchHRZ/?igshid=1rjb1rx0hpv99

https://globoplay.globo.com/v/9209156/

https://www.facebook.com/institutosos.pantanal/videos/728912947765881/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *